domingo, 15 de maio de 2016

Vem aí Anatomia da Solidariedade!


Você já parou para pensar os danos que o frio, fome, dependência química, alcoólica, depressão causam ao organismo? Dia 31 de maio os estudantes dos cursos de saúde da faculdade Nobre de Feira de Santana, junto ao Professor de Anatomia Roberto Ferreira, estarão realizando o "Anatomia Solidária", evento onde estarão sendo expostos as consequências que esses males causam ao organismo, serão expostos também peças cadavéricas. Local: Faculdade Nobre de Feira de Santana (Próximo ao Mercantil Rodrigues), a partir das 18h. Não será cobrado ingresso, mas você pode levar algum donativo(brinquedo, roupa, calçado...). 

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Bullying na infância.

Imagem Ilustrativa

Ao longo da vida acumulamos aprendizado, sonhos e lembranças da infância. Justamente nesta fase acontece o que a sociedade atual define como bullying, que tem como características violência física, psicológica intencional e repetitiva provocada por um ou mais agressores.

Tudo começa sem motivo aparente, surgem apelidos depreciativos, agressões e difamações constantes. Nem sempre notados pelos professores e familiares, visto que a vítima não conta a experiência vivida. Uma vez instalada, essa intimidação sistemática causa à vítima dor, sofrimento, angústia, baixa auto estima e apatia.

Diante dos fatos, a criança para de interagir com os amigos, familiares preferindo o isolamento. O rendimento escolar fica comprometido. Neste aspecto família e escola se atentam para buscar as causas de tal comportamento. Uma vez detectado o acompanhamento psicológico é um dos tratamentos mais recomendados para as vítimas de bullying, em casos mais severos o uso de medicamentos ansiolíticos se faz necessário. Quanto mais cedo o diagnóstico, maior as chances de superação.

Visando coibir estas ações, foi criada em 2015 uma lei popularmente chamada de "lei anti bullying". Além desta ferramenta, as escolas precisam capacitar os docentes para debater com frequência o assunto em sala de aula. Outro aspecto positivo são campanhas educativas relacionadas ao tema e maior orientação dos pais na identificação do problema. Todos precisam estar unidos para promover a cidadania e valores como a tolerância e respeito.

Menos depressão, mais ação!


Imagem Ilustrativa

Conhecida como a mais popular entre as doenças consideradas o mal do século, a depressão vem assolando a sociedade, afetando indivíduos de todas as idades, cor, sexo e classe social. 

A doença se instala de manira discreta, principalmente quando a pessoa sofre alguma frustração, seja perda do emprego, animal de estimação ou alguém do seu convívio social, causando uma profunda tristeza, ansiedade, mudanças bruscas de humor, pessimismo em relação a vida e em casos extremos, suicídio.

Essa apatia transforma de maneira drástica e negativa a rotina do depressivo, o mesmo encara os sintomas como algo passageiro não buscando ajuda para livrar-se destas sensações. Com o passar do tempo os sintomas aumentam, nota-se a falta de interesse nas atividades, fica difícil trabalhar, estudar, e a família precisa estar atenta a estes comportamentos.

Por não reconhecer que precisa de cuidados, o doente resiste em procurar ajuda médica. Nestes casos familiares e amigos precisam compreender e demonstrar total apoio emocional. A cura do paciente depressivo é possível com acompanhamento psicológico, uso de medicamentos e força de vontade do doente de livrar-se desta moléstia.

Diante da correria diária, algumas pessoas esquecem do quanto é imprescindível desacelerar em certos momentos, buscando o equilíbrio psíquico. Dedicar poucos minutos para realizar uma atividade prazerosa e fora da rotina ajuda a equilibrar os pensamentos aliada a paz interior.